Páginas

domingo, maio 29, 2005

Aniversário 3.4

Chegados os 3.4 (Parece motor V6, estou cada vez mais potente) tive a chance de comemorar com meus amigos e família.

Foi um sábado de correria, grandes papos, muitas risadas e felicidade.

Envelhecer não é tão ruim assim, o tempo vai-se cada vez mais rápido, então temos que correr como ele e aproveitar cada momento

Para ver as fotos clique aqui

sexta-feira, maio 27, 2005

Mais uma vez bebendo da fonte da minha amiga

Essa Lucia...
Sou fã dessa mulher, escreve como poucos

"Ousada é a Loucura


Loucos são fascinantes.

Loucos são de lua.

Outro dia no meio de uma conversa, uma pessoa me disse que sou uma das pessoas mais sãs que ela conhece; engraçado esse conceito de sanidade, a verdade é que vivemos num mundo de loucos e que muitas vezes os sãos, estes sim, são considerados chatos e desinteressantes, pois convenhamos, que glamour há na normalidade?

Chata não me acho, mas normal, com certeza sempre fui.

Que coisa mais chata!

Digo isso de cadeira, pois o Louco não é só a imprudência, é também o entusiasmo e a sede de aventura.
Não é só a confusão, também é a euforia, a curiosidade.
Pode ser a incoerência, mas também é a criatividade e fantasia.
Às vezes é a alienação, e também é o desapego e a tão desejada liberdade.

A Loucura é ousada.

Tomemos por base as pessoas que se destacam ou se destacaram em algum momento da história, invariavelmente todas apresentam traços leves ou nem tanto de loucura e doideira.

A verdade é que é muito tênue a linha que divide a loucura da lucidez, e esta linha varia com os paradigmas do tempo em que vivemos; da região do planeta e de pessoa para pessoa.

Assim como Hitler em sua demência assustadora, Van Gogh com sua loucura pós-impressionista de cores berrantes; Sade e Masoch com a loucura perversa e a pervertida; Bosch e Dali com a loucura surreal; Galileu e Colombo com a loucura visionária, e muitos outros que foram taxados de loucos em outros tempos e depois reconhecidos como gênios,

Por isso tudo que reverencio a loucura entusiasta, a loucura criativa, a loucura como o único caminho para a liberdade, porém, cheguei à conclusão que nos dias de hoje tem muita gente aí se faz de louco pra sobrevier, afinal, há maneira fácil de aparecer?"
http://www.villadalucia.blogger.com.br/

quinta-feira, maio 26, 2005

Ninguém merece!

Trabalhar em um baita feriado,
Namorada viajou
Tudo isso justo no final de semana do aniversário...
Não é fácil não!!!

segunda-feira, maio 23, 2005

Reinício

Fiquei alguns dias sem tempo nem saco para postar nada.

Ontem a noite, sozinho em casa estive pensando como certas pessoas tornam-se indispensáveis em nossas vidas. Nem sempre damos a atenção, mas quando chega uma certa hora queremos ver aquela pessoa sempre do nosso lado, ao dormir, ao acordar.

Sentimos falta da voz dela quando estamos em casa e o silêncio insiste em atemorizar a casa. Aí a imaginação viaja, esperando que ela estivesse ali para fazer companhia.

Emelinne, te amo

quarta-feira, maio 11, 2005

Don't worry about a thing

"Don't worry about a thing,
Cause every little thing gonna be all right.
Rise up this mornin',
Smiled with the risin' sun,
Three little birds
Pitch by my doorstep
Singin' sweet songs
Of melodies pure and true,
This is my message to you-ou-ou:"

24 anos sem Bob Marley

Igual

Mais uma semana terminou no sabado e uma nova começou no domingo.
Tudo sempre igual.
Igualmente tudo está esta semana.
Desanimo porque preciso mudar o igual e torná-lo menos igual ao igual de todo dia.
Será que vai ser sempre igual se eu não fizer menos igual a todo dia?

segunda-feira, maio 09, 2005

Meus amigos

"Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta.
Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice.
Crianças para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou, pois vendo-os loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei que a normalidade é uma ilusão estéril."
Oscar Wilde