Páginas

terça-feira, setembro 20, 2005

Wish you here

"How I wish, how I wish you were here.
We're just two lost souls swimming in a fish bowl , year after year,
Running over the same old ground. What have you found? The same old fears.
Wish you were here."

Pink Floyd

quarta-feira, setembro 07, 2005

Budismo

"Tudo que está junto se separa
Tudo o que sobe, desce
Todo encontro termina em partida
Toda vida termina em morte"

Ando alguns livros budistas para tentar encontrar algumas respostas.
O engraçado é que apenas encontro mais perguntas.

Dá para acreditar que eu ou você não existimos?
Pois é...
É a tal da "impermanência"

É muito chocante, mas resumindo e comparando você com um carro:
O que é um carro? É o motor? As rodas? O conjunto de todas as peças?
E se substituirmos cada uma das peças (uma a uma mesmo, vai ficar uma fortuna, mas não levemos para o lado financeiro) seria o mesmo carro? Com certeza não, seria algum outro carro.

Pois é, e sabendo que a cada segundo as suas células estão sendo renovadas, você neste momento não é o mesmo que começou a ler este "post". "Você" é algo diferente, nem eu sou o mesmo que começou a escrever e na hora que você estiver lendo "Eu" vou ser algo ainda mais diferente. Se não há como definir o que é o "Você" ou o "Eu", então simplesmente Você ou Eu não existimos!!!

Bizarro, estranho, mas tem sua lógica.

E se Eu nem Você existimos, para que sofrer? Sofrer por algo que não existe?

terça-feira, setembro 06, 2005

Encurralado

Tem dias que simplesmente o tempo parece que vai desmoronar sobre as nossas cabeças.

Tantas ilusões, vontades e desejos nos povoam e nos deixam um gosto amargo na boca por não serem possíveis de satisfazer.

"A dor é obrigatória, mas o sofrimento é opcional" já disse alguém por aí, mas desprender destes desejos e nos tornarmos mais felizes é um aprendizado difícil

sexta-feira, setembro 02, 2005

Ideal vs. Possível

Pergunto a você paciencioso leitor e visitante deste minifúndio:

Alguma vez teve que optar entre um Amor Ideal e um Amor Possível?

Aquele Amor Ideal que queima e consome sua consciência, que tão certamente quanto o sol queima a sua pele, deixa você sem fôlego?
Aquele Amor Ideal que mais parece uma paixão de adolescente, que toma toda a sua vontade, que explode o seu peito a cada momento que pensa na pessoa amada?

Ou o Amor Possível, calma e maduro, que te incentiva a ir para casa e encontrar com quem você ama, que permite uma conversa descontraída e amiga.

O Amor Possível que te torna melhor porque você quer ser o melhor para a outra pessoa.

Você já teve que optar?