Páginas

segunda-feira, janeiro 29, 2007

Nevermore

Há 162 atrás ocorreu a primeira publicação do poema "The Raven" (O Corvo) de Edgar Allan Poe. Ele escreveu este poema enquanto estava de luto pela morte de sua esposa pela tuberculose.
Copio aqui a versão original em inglês e a tradução feita por Fernando Pessoa

Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.
"'Tis some visiter," I muttered, "tapping at my chamber door --
Only this, and nothing more."
Ah, distinctly I remember it was in the bleak December,
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow; -- vainly I had tried to borrow
From my books surcease of sorrow -- sorrow for the lost Lenore --
For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore --
Nameless here for evermore.
And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me -- filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating
"'Tis some visiter entreating entrance at my chamber door --
Some late visiter entreating entrance at my chamber door; --
This it is, and nothing more."
Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
"Sir," said I, "or Madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you " -- here I opened wide the door; ----
Darkness there and nothing more.
Deep into that darkness peering, long I stood there wondering, fearing,
Doubting, dreaming dreams no mortal ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the darkness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word, "Lenore!"
This I whispered, and an echo murmured back the word, "Lenore!" --
Merely this, and nothing more.
Then into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon I heard again a tapping somewhat louder than before.
"Surely," said I, "surely that is something at my window lattice;
Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore --
Let my heart be still a moment and this mystery explore;--
'Tis the wind and nothing more!"
Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven of the saintly days of yore;
Not the least obeisance made he; not an instant stopped or stayed he;
But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door --
Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door --
Perched, and sat, and nothing more.
Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
"Though thy crest be shorn and shaven, thou," I said, "art sure no craven,
Ghastly grim and ancient raven wandering from the Nightly shore --
Tell me what thy lordly name is on the Night's Plutonian shore!"
Quoth the raven "Nevermore."
Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning -- little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no sublunary being
Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door --
Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
With such name as "Nevermore."
But the raven, sitting lonely on the placid bust, spoke only
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered -- not a feather then he fluttered --
Till I scarcely more than muttered "Other friends have flown before --
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before."
Quoth the raven "Nevermore."
Wondering at the stillness broken by reply so aptly spoken,
"Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store
Caught from some unhappy master whom unmerciful Disaster
Followed fast and followed faster so when Hope he would adjure --
Stern Despair returned, instead of the sweet Hope he dared adjure --
That sad answer, "Never -- nevermore."
But the raven still beguiling all my sad soul into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird, and bust and door;
Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore --
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt and ominous bird of yore
Meant in croaking "Nevermore."
This I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion's velvet lining that the lamp-light gloated o'er,
But whose velvet violet lining with the lamp-light gloating o'er,
She shall press, ah, nevermore!
Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by Angels whose faint foot-falls tinkled on the tufted floor.
"Wretch," I cried, "thy God hath lent thee -- by these angels he hath sent thee
Respite -- respite and nepenthe, from thy memories of Lenore;
Let me quaff this kind nepenthe and forget this lost Lenore!"
Quoth the raven "Nevermore."
"Prophet!" said I, "thing of evil! -- prophet still, if bird or devil! --
Whether Tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate yet all undaunted, on this desert land enchanted --
On this home by Horror haunted -- tell me truly, I implore --
Is there -- is there balm in Gilead? -- tell me -- tell me, I implore!"
Quoth the raven "Nevermore."
"Prophet!" said I, "thing of evil -- prophet still, if bird or devil!
By that Heaven that bends above us -- by that God we both adore --
Tell this soul with sorrow laden if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden whom the angels name Lenore --
Clasp a rare and radiant maiden whom the angels name Lenore."
Quoth the raven "Nevermore."
"Be that word our sign in parting, bird or fiend!" I shrieked, upstarting --
"Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!
Leave my loneliness unbroken! -- quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
Quoth the raven "Nevermore."
And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon that is dreaming,
And the lamp-light o'er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted -- nevermore!


Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de algúem que batia levemente a meus umbrais.
"Uma visita", eu me disse, "está batendo a meus umbrais.
É só isto, e nada mais."
Ah, que bem disso me lembro! Era no frio dezembro,
E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais.
Como eu qu'ria a madrugada, toda a noite aos livros dada
P'ra esquecer (em vão!) a amada, hoje entre hostes celestiais -
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais,
Mas sem nome aqui jamais!
Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo
Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais!
Mas, a mim mesmo infundido força, eu ia repetindo,
"É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais;
Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.
É só isto, e nada mais".
E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante,
"Senhor", eu disse, "ou senhora, decerto me desculpais;
Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo,
Tão levemente batendo, batendo por meus umbrais,
Que mal ouvi..." E abri largos, franqueando-os, meus umbrais.
Noite, noite e nada mais.
A treva enorme fitando, fiquei perdido receando,
Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais.
Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita,
E a única palavra dita foi um nome cheio de ais -
Eu o disse, o nome dela, e o eco disse aos meus ais.
Isso só e nada mais.
Para dentro então volvendo, toda a alma em mim ardendo,
Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais.
"Por certo", disse eu, "aquela bulha é na minha janela.
Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais."
Meu coração se distraía pesquisando estes sinais.
"É o vento, e nada mais."
Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,
Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.
Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,
Mas com ar solene e lento pousou sobre os meus umbrais,
Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais,
Foi, pousou, e nada mais.
E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura
Com o solene decoro de seus ares rituais.
"Tens o aspecto tosquiado", disse eu, "mas de nobre e ousado,
Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais!
Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais."
Disse o corvo, "Nunca mais".
Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro,
Inda que pouco sentido tivessem palavras tais.
Mas deve ser concedido que ninguém terá havido
Que uma ave tenha tido pousada nos meus umbrais,
Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais,
Com o nome "Nunca mais".
Mas o corvo, sobre o busto, nada mais dissera, augusto,
Que essa frase, qual se nela a alma lhe ficasse em ais.
Nem mais voz nem movimento fez, e eu, em meu pensamento
Perdido, murmurei lento, "Amigo, sonhos - mortais
Todos - todos já se foram. Amanhã também te vais".
Disse o corvo, "Nunca mais".
A alma súbito movida por frase tão bem cabida,
"Por certo", disse eu, "são estas vozes usuais,
Aprendeu-as de algum dono, que a desgraça e o abandono
Seguiram até que o entono da alma se quebrou em ais,
E o bordão de desesp'rança de seu canto cheio de ais
Era este "Nunca mais".
Mas, fazendo inda a ave escura sorrir a minha amargura,
Sentei-me defronte dela, do alvo busto e meus umbrais;
E, enterrado na cadeira, pensei de muita maneira
Que qu'ria esta ave agoureia dos maus tempos ancestrais,
Esta ave negra e agoureira dos maus tempos ancestrais,
Com aquele "Nunca mais".
Comigo isto discorrendo, mas nem sílaba dizendo
À ave que na minha alma cravava os olhos fatais,
Isto e mais ia cismando, a cabeça reclinando
No veludo onde a luz punha vagas sobras desiguais,
Naquele veludo onde ela, entre as sobras desiguais,
Reclinar-se-á nunca mais!
Fez-se então o ar mais denso, como cheio dum incenso
Que anjos dessem, cujos leves passos soam musicais.
"Maldito!", a mim disse, "deu-te Deus, por anjos concedeu-te
O esquecimento; valeu-te. Toma-o, esquece, com teus ais,
O nome da que não esqueces, e que faz esses teus ais!"
Disse o corvo, "Nunca mais".
"Profeta", disse eu, "profeta - ou demônio ou ave preta!
Fosse diabo ou tempestade quem te trouxe a meus umbrais,
A este luto e este degredo, a esta noite e este segredo,
A esta casa de ância e medo, dize a esta alma a quem atrais
Se há um bálsamo longínquo para esta alma a quem atrais!
Disse o corvo, "Nunca mais".
"Profeta", disse eu, "profeta - ou demônio ou ave preta!
Pelo Deus ante quem ambos somos fracos e mortais.
Dize a esta alma entristecida se no Éden de outra vida
Verá essa hoje perdida entre hostes celestiais,
Essa cujo nome sabem as hostes celestiais!"
Disse o corvo, "Nunca mais".
"Que esse grito nos aparte, ave ou diabo!", eu disse. "Parte!
Torna á noite e à tempestade! Torna às trevas infernais!
Não deixes pena que ateste a mentira que disseste!
Minha solidão me reste! Tira-te de meus umbrais!
Tira o vulto de meu peito e a sombra de meus umbrais!"
Disse o corvo, "Nunca mais".
E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda
No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais.
Seu olhar tem a medonha cor de um demônio que sonha,
E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão há mais e mais,
Libertar-se-á... nunca mais!

M

Se você é minha outra metade, estou sempre incompleto longe de você.
Nenhum lugar é bom se você não está por perto.

quinta-feira, janeiro 25, 2007

Amigos

Eu tenho a felicidade de ter construído boas amizades ao longo da vida.
Dois grupos se destacam e tem muitas similaridades entre si
Os "ULA-ULAS" é um grupo de caras que viveram a adolescência juntos, lá em Patrocínio-MG. Passamos por todas as angústias do início da vida adulta, acompanhamos os sucessos e fracassos de cada um. Aprendemos a conhecer e nos identificar com as diferenças e semelhanças de cada um. Eles são "OS CARAS"
Os outros é o "CLUB-S", turminha de Uberlândia, todos "garotos de programa" (de computador) e trabalhávamos na mesma empresa. Hoje nos separamos mas mantemos uma grande amizade.

"Entenda que amigos vão e vêm, mas nunca abra mão de uns poucos bons. Esforce-se de verdade para diminuir as distâncias geográficas e de estilos de vida. Porque quanto mais velho você ficar mais você vai precisar das pessoas que conheceu quando jovem."

quarta-feira, janeiro 24, 2007

Esperando na Janela


Quando me perdi
Você apareceu
Me fazendo rir
Do que aconteceu
E de medo olhei
Vi tudo ao meu redor
Só assim enxerguei
Que agora eu estou melhor

Você é a escada da minha subida
Você é o amor da minha vida
É o meu abrir de olhos do amanhecer
Verdade que me leva a viver
Você é a espera na janela
A ave que vem de longe tão bela
A esperança que arde em calor
Você é a tradução do que é o amor

E a dor saiu
Foi você quem me curou
Quando o mal partiu
Vi que algo em mim mudou
No momento em que quis
Ficar junto de ti
E agora sou feliz
Pois te tenho bem aqui

quinta-feira, janeiro 18, 2007

Brevíssima história da medicina

500 D.C. – Venha até aqui, e coma esta raiz.

1.000 D.C. – Esta raiz é coisa de ateu, faça esta oração ao Deus que está no céu.

1.792 D.C. – O Deus não está no céu, quem reina é a razão. Venha até aqui, e beba esta poção.

1.917 D.C – Esta poção é para enganar o oprimido, sugiro que você tome este comprimido.

1.960 D.C. – Este comprimido é antigo e exótico. Chegou o momento de tomar antibiótico.

1.998 D.C. – Antibiótico te deixa fraco e infeliz. Eis um novo tratamento: coma esta raiz.


Paulo Coelho
Retirado do site : http://g1.globo.com/Noticias/Colunas/0,,7410,00.html

terça-feira, janeiro 16, 2007

Conhecimento totalmente inútil

Mais um post para encher linguiça porque estava sem saco para pensar em algo melhor, mas não poderia ficar tantos dias sem escrever nada por aqui.
Eu sempre ouvi dizer que ninguém poderia dobrar uma folha de papel por mais do que 8 vezes (na verdade o máximo que consegui foram 7. Reconheço... Eu testei !! )
Aí hoje me deparo com uma matéria da revista "Mundo Estranho" (adoro essa revista, é uma excelente fonte para assuntos aleatórios)

Na verdade, dá para dobrar mais de oito vezes. Essa lenda urbana ganhou força porque, para desmenti-la, é necessário usar um papel de medidas que você não encontra por aí facilmente.Basicamente, o número de dobras possíveis depende do tamanho e da espessura do papel. "O problema é que a cada dobra a espessura duplica e a área cai pela metade. Portanto, para conseguir mais dobras precisa-se usar um papel muito fino ou extenso e, de preferência, bastante maleável", diz o físico Cláudio Furukawa, da USP. Foi justamente o que fez a estudante americana Britney Gallivan, que, depois de criar uma fórmula para calcular as medidas necessárias para um determinado número de dobras, decidiu botar a teoria em prática e, em 2002, atingiu a marca recorde de 12 dobras. Ela não revelou o tamanho exato do papel usado, mas, usando a fórmula, concluímos que ele tinha pelo menos 400 metros de comprimento. E isso porque ela usou um papel especial, bem fino. Mas não pense que a experiência foi fácil: ela teve que encontrar um espaço enorme e, mesmo contando com a ajuda dos pais, precisou de sete horas para atingir o objetivo. O problema é que, embora ela tenha provado matematicamente que o número de dobras possíveis é infinito, dificilmente alguém vai comprovar, na prática, que pode fazer 20, 30 ou 50 dobras. Sabe qual seria a espessura de um papel da grossura de uma folha de caderno dobrado 50 vezes? Parece absurdo, mas nós fizemos os cálculos e garantimos: mais de 110 milhões de quilômetros! Mais uma dobrada e se passaria em muito a distância da Terra ao Sol (149 milhões de quilômetros).

segunda-feira, janeiro 15, 2007

Pontes

Ainda bem que não queimei minha ponte ainda...

quarta-feira, janeiro 10, 2007

N

Quem acompanha este minifúndio sabe que sou fã do Nando Reis.
Essa letra lembra apenas : "Saudade"...

N
E agora, o que eu vou fazer?
Se os seus lábios ainda estão molhando os lábios meus?
E as lágrimas não secaram com o sol que fez?

E agora como posso te esquecer?
Se o seu cheiro ainda está no travesseiro?
E o seu cabelo está enrolado no meu peito?

Espero que o tempo passe
Espero que a semana acabe
Pra que eu possa te ver de novo

Espero que o tempo voe
Para que você retorne
Pra que eu possa te abraçar
E te beijar
De novo

E agora, como eu passo sem te ver?
Se o seu nome está gravado no
Meu braço como um selo?
Nossos nomes que tem o n
Como um elo

E agora como posso te perder?
Se o teu corpo ainda guarda o
Meu prazer?
E o meu corpo está moldado
Com o teu?


terça-feira, janeiro 09, 2007

Parabens Rafa!!!




Parabéns ao meu sobrinho pelo Niver

Rafa, desculpe ter demorado a colocar as fotos


segunda-feira, janeiro 08, 2007

Fantasma da Ópera

Uma das vantagens de morar em São Paulo é o acesso a eventos culturais.
Sábado fui assistir O Fantasma da Ópera.
Achei o preço meio salgado (R$75,00, sorte que tenho carteirinha da UNE e pude pagar meia).
A qualidade da montagem da peça é assombrosa, efeitos de luz e som sucedem-se a cada momento permitindo um espetáculo fantástico.
Achei a estória meio bobinha mas valeu pela qualidade dos efeitos que eu sequer imaginava que pudessem ser feitos ao vivo.
Imagina a Broadway...

sexta-feira, janeiro 05, 2007

O que é isso companheiro?

Quem poderia imaginar isso a 30 anos atrás, durante o período militar?
Um comunista, presidente da Câmara dos Deputados, disputando a reeleição com o Fernando "O que é isso Companheiro?" Gabeira.
Quem diria...
http://noticias.terra.com.br/interna/0,,OI1332082-EI188,00.html

quarta-feira, janeiro 03, 2007

Mais SK


Pesquisando no site da Marvel, descobri que a parte gráfica do Dark Tower vai ficar a cargo de Jae Lee (traço) e Richard Isanove (pintura) que já atuaram no Fantastic Four.
http://www.marvel.com/blogs/Nicole_Boose/entry/602

terça-feira, janeiro 02, 2007

Sepulturas

Sexta passada, fui almoçar com um conhecido.
Falei com ele que precisamos queimar as pontes depois que as atravessamos, para que a tentação de voltar atrás não atrapalhe o firme propósito de seguir adiante.
Hoje, olhando por ai, me deparei com outra frase de sentido semelhante:
"Somente onde há sepulturas há também ressurreições" - Nietzsche
Certas coisas tem que morrer, mesmo que sejam difícil matá-las.
Um trabalho que você não suporta mais, para novos desafios.
Um velho e doente amor, para que um novo tenha força de crescer.
Jogar fora as roupas e sapatos velhos que estão no armário para guardar os presentes que você ganhou de Natal.
Uma criança jogando fora os brinquedos antigos sobrar lugar para os novos.
Finalizo deixando uma citação do Rubem Alves:
"Colha o dia como se fosse um fruto maduro que amanhã estará podre. A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente"