Páginas

sexta-feira, abril 27, 2007

Die Hard

Clique com musica feita para o filme Die Hard (esse ano John McLane volta detonando pela quarta vez)

terça-feira, abril 24, 2007

Diferença Cultural??

Um filme ensinando como se comportar em um típico restaurante japonês. rsss

segunda-feira, abril 23, 2007

Capas

Sábado estava batendo perna na rua Teodoro Sampaio e passei perto de algumas pessoas que vendiam antigos LP's na calçada.
Veio-me à cabeça que com o advento dos mp3 players (amo meu iPod, rss) e anteriormente dos CD's perdeu-se muito o charme das capas dos discos.
Na minha opinião, as grandes capas (dos bolachões) deixavam espaço para que os artistas mostrassem todo o seu talento.
Como não achar fantástica uma capa como a do "The Dark Side of The Moon"?
Ou as capas que Derek Riggs fazia para o Iron Maiden?

Era legal ficar vendo as capas, observando os detalhes enquanto ouvíamos o LP deitadão no sofá.
Hoje, é tudo via "dá1load", ou "emuli" o que não deixa muito espaço para ficar apreciando essas obras de arte.

segunda-feira, abril 16, 2007

Homer Simpson by himself...

Como Homer Simpson faria um auto-retrato?

sexta-feira, abril 13, 2007

Trilha Sonora VI

Esse música recorda uma festa que eu e meus grandes amigos fizemos há muito tempo atrás. Era uma época de pureza e verdadeira amizade.
Metallica
The Unforgiven

New blood joins this earth
And quikly hes subdued
Through constant pain disgrace
The young boy learns their rules

With time the child draws in
This whipping boy done wrong
Deprived of all his thoughts
The young man struggles on and on hes known
A vow unto his own
That never from this day
His will theyll take away

What Ive felt
What Ive known
Never shined through in what Ive shown
Never be
Never see
Wont see what might have been

What Ive felt
What Ive known
Never shined through in what Ive shown
Never free
Never me
So I dub the unforgiven

They dedicate their lives
To running all of his
He tries to please them all
This bitter man he is
Throughout his life the same
Hes battled constantly
This fight he cannot win
A tired man they see no longer cares
The old man then prepares
To die regretfully
That old man here is me

What Ive felt
What Ive known
Never shined through in what Ive shown
Never be
Never see
Wont see what might have been

What Ive felt
What Ive known
Never shined through in what Ive shown
Never free
Never me
So I dub the unforgiven

You labeled me
Ill label you
So I dub the unforgiven

domingo, abril 08, 2007

Piadinha

Antes você mulher me bombardeie, tenha um pouco de senso de humor. Essa piada é engraçada.
No início, Eva não queria comer a maçã, mas...
- Come - disse a serpente - e serás como os anjos!
- Não - respondeu Eva.
- Terás o conhecimento do Bem e do Mal - insistiu a víbora.
- Não!
- Serás imortal.
- Não!
- Serás como Deus!
- Não, e não!
A serpente já estava desesperada e não sabia o que fazer para que a Eva comesse a maçã. Até que teve uma idéia...
Ofereceu-lhe novamente a fruta e disse:
- Não engorda...!

quinta-feira, abril 05, 2007

Vale 9 Conto

Simplesmente hilário esse blog que narra as aventuras de Baunilha& Cia para sobreviver no Brooklin (perto de onde eu moro) com um vale refeição de 9 reais.

Olha só a musiquinha tema do blog:

Adeus fome velha
Feliz vale novo
Que a refeição se realize
Na segunda-feira que vai nascer
Muito crédito no bolso
Sobremesa de graça pra comer



E procure pelos posts com tema "ValeLess" e role de rir

Valeu Dennão, Serpa, Baunilha e Yayá!!! Rolei de rir

Um país sem sorte

Transcrevo aqui, post do Luis Nassif no seu blog

No início do ano entrevistei o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, como fecho para meu livro “Os Cabeças de Planilha”, que será lançado na próxima semana.

FHC admitiu os profundos erros de câmbio de 1994 a 1998. Apresentou várias desculpas para não ter corrigido o errado. A principal é que “não havia pressão da opinião pública”. Criou-se uma unanimidade, um pacto de silêncio na mídia, que, segundo ele, amarrava qualquer iniciativa do governo.

A desculpa não basta para absolvê-lo. Os indicadores eram claros sobre a não sustentabilidade do câmbio na época. Sabia-se que a manutenção de tal política aumentaria a dívida pública em tal nível que comprometeria por mais de uma década as contas públicas. FHC vaticinava que o mesmo ocorreria agora com Lula. Ele seria iludido pelo canto de sereia do mercado e só quando a crise explodisse haveria mudanças.

***

É o Brasilsão velho de guerra, com absoluta carência de estadistas. Ambos – FHC e Lula – são extraordinariamente parecidos no acomodamento político, em transformar a política na “arte do possível” e a política econômica em mero processo de acomodamento de pressões. A cada dia que passa o dólar vai descendo a ladeira. Já está batendo em R$ 2,00. Em breve estará em R$ 1,90.

Ontem houve a demissão do Secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Júlio César Gomes de Almeida, porque resolveu tornar públicas suas preocupações com o nível do câmbio.

Enquanto isto, o Banco Central continua trabalhando com estimativas de inflação muito acima das do mercado, para preservar o poder de matar a atividade econômica com essa taxa de juros.

***

Na mídia, a pressão é mínima. Saúda-se o aumento das importações, como se não tivesse efeito nenhum sobre produção e emprego domésticos. Permite-se a abertura da poupança interna para aplicar no mercado internacional, como se o país tivesse abundância de capital. Não há cobertura dos setores massacrados pelo câmbio.

Não há um projeto de país em nenhuma parte, nem na oposição nem no governo. O mercado está satisfeito porque consegue ganhar com os juros e com a apreciação do câmbio. Grandes empresas compensam no mercado financeiro eventuais perdas de rentabilidade em sua produção.

Todo o mercado sabe que a apreciação cambial é fruto da política de juros do BC, que atrai dólares através da conta capital. Mas apenas se constata, não se protesta porque todos estão ganhando, hipotecando mais um pouco o futuro do país.

***

Enquanto isto, comemora-se a nova metodologia do PIB, sem levar em conta que, qualquer que seja ela, o crescimento é medíocre, ainda mais em uma quadra da história em que a economia mundial experimenta as mais altas taxas de crescimento.

Bate um desânimo com a falta de rumo, com a falta de grandeza de Lula agora que, completada a reforma ministerial, fica-se com mais do mesmo.

A cada dia fica mais claro que o Brasil não foi bafejado pela boa sorte. Na maior oportunidade da história, esse longo período que começa em 1994 e se estende até os dias de hoje, um estadista teria conduzido o país para o grande salto.

Infelizmente o destino do país foi entregue a dois presidentes sem grandeza.

terça-feira, abril 03, 2007

Vovô


Vovô, hoje é seu aniversário.
Pena que você não poderá ver esta mensagem.
Nem estou aí para te dar um abraço.
Sinto mesmo que você talvez nem saiba que é seu aniversário.
Mas saiba que seus netos todos te amam.

segunda-feira, abril 02, 2007

Trilha Sonora V

Essa tem gostinho de infância, vendo especiais baseados na obra do Vinícius de Moraes

Era uma casa
Muito engraçada
Não tinha teto
Não tinha nada
Ninguém podia entrar nela, não
Porque na casa não tinha chão
Ninguém podia dormir na rede
Porque na casa não tinha parede
Ninguém podia fazer pipi
Porque penico não tinha ali
Mas era feita com muito esmero
Na rua dos Bobos
Número zero